30 de jul de 2010

O estranho "Acostumar"


Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia.
A gente se acostuma a morar em apartamento de fundos e não ver vista que não sejam as janelas ao redor. E porque não tem vista logo se acostuma a não olhar para fora. E porque não olha para fora, logo se acostuma e não abrir de todo as cortinas. E porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E, à medida que se acostuma, se esquece do sol, se esquece do ar, esquece da amplidão.
A gente se acostuma a acordar sobressaltado porque está na hora. A tomar café correndo porque está atrasado. A ler o jornal no ônibus porque não pode perder tempo. A comer sanduíche porque não dá para almoçar. A sair do trabalho porque já é noite. A cochilar no ônibus porque está cansado. A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia.
A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre a guerra. E aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja números para os mortos. E aceitando os números, aceita não acreditar nas negociações de paz. E não aceitando as negociações de paz, aceitar ler todo dia de guerra, dos números, da longa duração.
A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: “hoje não posso ir”. A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta. A ser ignorado quando precisa tanto ser visto.
A gente se acostuma a pagar por tudo o que se deseja e necessita. E a lutar para ganhar com que pagar. E a ganhar menos do que precisa. E a fazer fila para pagar. E a pagar mais do que as coisas valem. E a saber que cada vez pagará mais. E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com que pagar nas filas em que se cobra.
A gente se acostuma a andar nas ruas e ver cartazes. A abrir as revistas e ler artigos. A ligar a televisão e assistir comerciais. A ir ao cinema e engolir publicidade. A ser instigado, conduzido, desnorteado, lançado na infindável catarata dos produtos.
A gente se acostuma à poluição, às salas fechadas de ar condicionado e ao cheiro de cigarros. À luz artificial de ligeiro tremor. Ao choque que os olhos levam à luz natural. Às bactérias de água potável. À contaminação da água do mar. À morte lenta dos rios. Se acostuma a não ouvir passarinhos, a não ter galo de madrugada, a não colher fruta no pé, a não ter sequer uma planta por perto.
---------> A gente se acostuma a coisas demais para não sofrer. Em doses pequenas, tentando não perceber, vai afastando uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta lá.
Se o cinema está cheio, a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço. Se a praia está contaminada, a gente só molha os pés e sua o resto do corpo. Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana. E se no fim de semana não há muito que fazer, a gente vai dormir cedo e ainda fica satisfeito porque tem muito sono atrasado.
A gente se acostuma a não falar na aspereza para preservar a pele. Se acostuma para evitar sangramentos, para esquivar-se da faca e da baioneta, para poupar o peito. ( Marina Colassanti)

A gente se acostuma para poupar a vida.
...Que aos poucos se gasta, e que, de tanto acostumar, se perde de si mesma... A gente se acostuma...
Sendo assim... Viveremos eternamente nos propagando e nos adequando das coisas que não possui um sentido/valor real pra vida.
Geralmente deixamos o que deve ser contestado pra lá. Não criticamos algo errado por nos acostumar... o que nos sufoca figimos não ver;.
O costume maltrata... Não tem segredo.
Ele nos leva a achar que tudo na vida pode ser simplesmente vivido sem conturbações, basta apenas se acostumar.
Não pense assim, embora também me acostume com os erros que vejo no mundo, sei o devia e devo fazer. Mas creio que devemos olhar para o que deve mudar e opinar, criticar, contrariar, distinguir, desfazer o que não está bem feito, consertar o possível. Podemos tudo isso. O que não podemos é nos acostumar ao que não fará nada nem ninguém feliz. Sejamos que somos. Sofreremos o que for necessário. Destilaremos o que for preciso. Mas estaremos sendo contrário ao que o mundo proporciona de ruim, o que creio ser certo. Guerra, problemas familiares e sociais, sociedade infâme e despreocupada com o meio ambiente em que vivemos, relação das pessoas mesquinhas e individuais... A isso também nos acostumanos ou nem nos importamos. Por que apenas nos acostumar a isso se podemos conserta-los da maneira possível que nos cabe. Fazer o mínimo já é o bastante para o que o seu Deus,o único Deus, possa ver o quão integrado e útil você foi ao mundo. Lembre-se critique, contrarie mas nunca perca a razão de Deus. Não se acostume... Lute... Vença... Sofra... Sinta... Mas seja sempre você mesmo... Por que o certo seria... A gente não pode se acostumar. 
*ReFliTa* ---- Obg pela atenção! Por hoje é só. Manoel Britto xD.

20 de jul de 2010

$#@!! Happy Day Friend !!@#$


...Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos. Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles. A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objeto dela se divida em outros afectos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade...Isso que a vida nos traz... E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos! Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências... A alguns deles não procuro, basta-me saber que eles existem. Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida. Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles. Eles não iriam acreditar. Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos. Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os procure sempre. E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção de como me são necessários, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida. Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado. Se todos eles morrerem, eu desabo! Meus amigos são para mim, como folhas q podem até secar mas nunca diminuirá a intensidade da beleza de amizade que sinto por todos... Por isso é que, sem que eles saibam, eu rezo pela vida deles. E me envergonho, porque essa minha prece é, em síntese, dirigida ao meu bem estar. Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo. Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles. Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando daquele prazer... Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente os que só desconfiam ou talvez nunca vão saber que são meus amigos!  (Autor Desconhecido,Adaptado por Manoel Britto).
---> A gente não faz amigos, reconhece-os. Um Feliz Dia do Amigo a todos vcs que leram,gostaram,comentaram,seguiram o Blogger ou não curtiu muito, isso nem muito me importa. O importante é que vos considero. bjo! 
---> Paro por aki! Até a próxima postagem! Manoel Britto =D 
Dedicações a seguir...


----> Dedico este fragmento esplêndido e sincero as minhas #BFF --->
@camillaangelo , @Palomasilva_ba , @josy_silva19 , @Gil_Nunes1 , Lívia Torres , @saionarasilva1 , Jayne , Danny Souza , Fernanda Laís , Carol Freitas , @julisalgueiro , Jadny , Joyce. 
---->>> As melhores amigas do mundo. Amo-os para sempre. Dedicação mais que merecida!

19 de jul de 2010

Alguém no Meu caminho


Não sabemos o q vida nos traz nem o quem ela trará. Sendo assim...
_______--A vida é uma caixinha de surpresas;--_______________
Nela duas pessoas se encontram e eu acho que nunca é por mero acaso. Quando alguém é colocado em nosso caminho é para que em conjunto possamos descobrir novas emoções ou, quem sabe, redescobrir algumas há muito esquecidas ou arrumadas na tal caixinha. Como quase do nada começa existir uma energia que nos conduz à descoberta do outro, para que consigamos despertar para sentimentos como amizade, respeito, de carinho e até de amor. Um amor sólido construído pedra a pedra... Tudo parece caminhar nesse sentido, há uma descoberta, há um encontro, há um toque um trocar de olhares.... e o caminho inicia - se.... Mas como na vida nada é certo ou definitivo quando pensamos estar a começar a caminhar em conjunto, algo quase inexplicável abala toda a construção de horas, dias , meses ou até anos de afecto, de amizade e de carinho... Quando pensávamos sair a sorrir de uma porta que se abriu, uma lágrima atrevida cai no rosto... Só que, como disse, a vida é uma caixinha de surpresas...há que acreditar que essa pessoa não entrou na nossa vida por acaso e recomeçar, tudo de novo, sem mágoas ou receios. Voltar a acreditar que tudo é possível....construir algo sólido e resistente! Perceber a razão de termos conhecido essa pessoa! E de termos trocado com ela afectos e carinhos e depois sem sabermos o motivo, abrimos a caixa e quase deixamos fugir tudo... ---> Ator desconhecido (adapatado por Manoel Britto).
Sendo assim não deixe que a vida consolide-se sozinha. Transforme-as e mostre-as que ela é sua e você tem o poder de adaptar-se ao que ela vos proporcionar.
Não seja mais um daquele que sofrem por medo de tentar, reclamam por não ter arriscado, desabam por não querer levantar... Seja um daqueles poucos que vão lutar até o fim quando uma batalha na vida tiver que enfrentar... Dos poucos que vão chorar mas por ter lutado demais pelo que acreditava ser verdadeiro. Seja Alguém no caminho.... Alguém no caminho dos outros e nos seus. Não um qualquer alguém pelo qual nada na vida nada marcou, mas sim aquele que da vida gozou e aproveitou o que pode... Viva... Sonhe... Liberte-se do mal... Respire o futuro e seja Alguém no Caminho q percorrer... Pense nisso! Por hoje é só =D Manoel Britto.